terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Um Aniversário Diferente

Ou de como, ser uma privilegiada.

Sábado, o irmão do boy, fez anos.
O irmão do boy, é surdo, tal como os seus amigos, parcial ou totalmente.
Ontem fez a festa de anos e eu também marquei presença.

Posso-vos dizer, que se ao principio estranhei e me senti "a mais", a meio já os observava com uma admiração enorme.
O facto, de me sentir a "mais", não era por mais nada, a não ser, sentir-me envergonhada por não os conseguir perceber, como eles me percebiam a mim. Devia ser automático, esta nossa percepção de outras realidades mas a verdade, é que não é.
Eles percebiam-me, eu a eles, muito dificilmente.
Depois, senti um espécie de orgulho, por aqueles adolescentes, super unidos, que fizeram imensos quilómetros, para estarem todos juntos.

A meio do jantar, parei e observei, as conversas paralelas que se passavam, as risadas e longas gargalhadas, uma confraternização, digna de fazer inveja a qualquer um de nós e de nos dar vontade, de entrar no meio da conversa e percebê-los, tão claro, como se bebe água.

E porque não é assim?
Devíamos ser nós a adaptar-nos a eles, não?

Eu, acima de tudo, saí de lá inspirada e comovida com a união que se vi-a entre eles, que não se vê aí na maioria de grupos de amigos.

13 comentários:

Closet & Beauty disse...

Pois é, são estas coisas da vida que nos fazem pensar muitas vezes no quão grande é o nosso egoísmo...porque nos lamentamos quando algo não corre bem...porque às vezes estamos mal dispostos e só temos motivos para sorrir e agradecer por aquilo que somos e por não termos que enfrentar problemas de maior...

Dama das Camélias disse...

Eu também admiro muito essas pessoas! É sempre difícil para nós compreende-los, mas imagina o quanto não deve ser para eles. Ainda mais com a sociedade que temos.

Lorena Flor disse...

ownnn ^^
beijo ;*

http://lorena-flor.blogspot.com/

Sweetcita disse...

a isso chama-se amor incondicional, adoro :) bjinhos querida

Maria disse...

em 2010 estive a trabalhar num local em que estava em constante contacto com grupos escolares. esses grupos eram diversificados... confesso que me sentia praticamente inútil e imensamente frustrada quando no meu grupo havia alguém com surdez: eles percebiam-me e eu precisava de um/uma interprete... ficava sempre com a sensação de que se deveria fazer um esforço maior (por exemplo, iniciativas na escola, etc) para aprendermos a comunicar, interagir com pessoas com surdez, cegas, etc...

bjo*

Rainha das Estrelas disse...

eu admiro muito!
e quero e vou tirar um curso de língua gestual!:)

Green disse...

Deve ter sido mesmo uma óptima sensação, teres observado tal momento.

Liliana Pinto disse...

apesar de tudo são felizes na mesma e a solidão não é algo que faça parte da vida deles, apesar da condição...é de louvar :)

MartinhaMakeupLover disse...

Realmente deve ter sido muito inspirador, porque apesar da limitação que têm são felizes e têm uma vida como nós! :)

LOL aos 40 disse...

Olá,

pois realmente há que dar valor a estas felicidades e vivências...pois também fazem parte da nossa Sociedade!

Bj
Fica bem

Vale disse...

Beautiful pics!!!i'm following you!!!if you like mine, do the same!!
WWW.ZAGUFASHION.COM
ZAGU FACEBOOK PAGE
bloglovin follower

Soraia disse...

Tens toda a razão, devíamos ser nós a adaptador-nos a eles.

coquinhas disse...

A lingua universal devia ser a lingua gestual. Todos nos entenderíamos em qualquer cantinho do mundo :)